Imagina na Copa!!!

Deixe um comentário

                       É engraçado como os brasileiros reclamam dessa frase, mas eles realmente não veem que faz o maior sentido. A Brahma, em alguns de seus comerciais, faz questão de ironizar a verdade que custamos a enxergar.
Estamos em Dezembro de 2012, e até hoje eu não vi nada mudar, para comprovar que na Copa do Mundo, em 2014, tudo será diferente ou pelo menos parte do tudo. Então, Imagina na Copa! Ou vocês acham que realmente o torcedor vai mudar sua conduta, como cidadão e torcedor?
Todos os dias eu faço o uso dos transportes públicos para ir até a faculdade, e o que eu vejo de falta de educação, não ta escrito. Latinhas de refrigerante, bitucas de cigarro, garrafas d’água, entre outros objetos, que levam anos pra se decompor, são jogados nas ruas, pelas janelas de ônibus e carros. E isso é algo que me deixa realmente com muita raiva, porque essas mesmas pessoas que jogam lixo nas ruas, que entopem os bueiros, são as mesmas pessoas que reclamam das enchentes, e dos políticos. Mas, que direito eles tem de reclamar, se eles mesmos não dão o exemplo? Não adianta trocar o governante, se a atitude não muda, não melhora. Agora, imagina na Copa, quando o país receberá milhares de turistas, que virão exclusivamente para o evento, e vão ver que o brasileiro é super receptivo, mas quando o assunto é educação, a conversa é outra. Em alguns países da Europa, por menor que seja o objeto jogado no chão, o cidadão é multado. Eles não admitem esse tipo de comportamento, e aqui no Brasil é como se isso fosse algo normal. NÃO! E ai, o cidadão brasileiro, o receptivo, será visto lá fora como o imundo, o porco. Só porque não sabe usar a lixeira, que foi criada com este único propósito,  e não  para servir de enfeite.

                   Todo mundo deve ter visto o que aconteceu no aeroporto de Cumbica na última segunda-feira, quando o Corinthians embarcou para o Japão, onde disputará a Copa do Mundo de Clubes da FIFA, a belíssima festa que a torcida fez no CT Joaquim Grava e no caminho pela Ayrton Senna até o aeroporto. É de dar orgulho, né? Mas e o que foi causado depois, dentro do saguão de embarque, é de dar raiva! Qual a real necessidade de toda destruição? “Ah, mas a polícia, na tentativa de evacuar o ambiente jogou gás lacrimogêneo”. E por isso tinham que depredar o patrimônio? Realmente é um absurdo. Se a festa tivesse acabado antes da invasão do saguão, nada disso teria acontecido. Nem a polícia teria usado o gás, e nem os torcedores teriam feito o que fizeram. Claro, não podemos generalizar e culpar todos os presentes, foi uma minoria, muito infeliz por sinal, que conseguiu estragar uma festa tão bonita, que foi divulgada em diversos jornais estrangeiros. Eu só quero ver no dia da volta, independentemente do resultado, o que vai acontecer. Agora, imagina na Copa se isso acontece? O brasileiro, o receptivo, seria visto lá fora como o sem educação, o porco, o sujo e baderneiro, que não respeita os bens públicos. E ai, não adianta reclamar, quando o dinheiro pra reconstrução do que foi destruído sair do nosso bolso.

                      Até 2014, muitos “Imagina na Copa” serão prununciados. Se o brasileiro não mudar sua atitude ao invés de ficar só reclamando, e de bracinhos cruzados, o Imagina na Copa será pra sempre uma assombração. E ai, não adianta reclamar de político, do vizinho muito menos do Papa, seremos sempre um país subdesenvolvido com mania de grandeza. Então, imagina na Copa.

😉

Anúncios

E nessa dança de cadeiras, quem dança é o torcedor.

Deixe um comentário

E hoje foi definido o novo (velho) técnico da Seleção Brasileira masculina de futebol. A CBF, com vários nomes à sua disposição e de técnicos mais jovens e em melhores momentos, anunciou Luiz Felipe Scolari como o novo treinador, que fará dupla com Carlos Alberto Parreira, Coordenador Técnico. Ai vocês me perguntam, “ta, isso a gente já ta sabendo, mas o que você quer dizer com isso?” Simples e muito fácil de se entender. Muda técnico > muda futebol > muda escalação > torcedor cansado.
Em pouco mais de dois anos na Seleção, o Mano teve seus méritos e deméritos. Jogou contra grandes e perdeu, contra os fracos goleou. Deixou em xeque sua capacidade e conhecimento. Mas seria ele mesmo o culpado? Quando Dunga era o técnico, foi campeão da Copa das Confederações e a Seleção era a mais cotada para faturar a taça, e mais uma vez fomos desiludidos pelo estrelismo e pelos diversos erros durante uma copa com (alguns) adversários fracos e pouco conhecidos. Sim, até 2010 eu nunca havia ouvido falar da Seleção da Costa do Marfim e nem de Drogba. E mesmo com o favoritismo, perdemos para uma Holanda bem estruturada, que eu nem consegui completar no meu álbum de figurinhas. Não sei vocês, mas eu me senti vingada quando a Espanha foi a campeã. Mas ainda assim, achei que aquele tombo foi merecido, para que a CBF finalmente percebesse que a situação estava insustentável. Ok, então demite o técnico (como se a culpa fosse exclusivamente dele)! E voltamos à estaca ZERO.
Em Julho de 2010, quando Mano Menezes assumiu a Seleça, o país pareceu ver nele a solução para os problemas. Mano vinha de uma bela trajetória no Corinthians, com a conquista da Série B de 2008, Campeonato Paulista Invicto de 2009, e com o tri da Copa do Brasil do mesmo ano. Mano mexeu, remexeu, convocou e desconvocou jogadores. Deixou para trás as figurinhas carimbadas, que todos estávamos acostumados a ver, para tentar montar uma nova seleção, que só foi considerada “pronta”, para a Copa do Mundo de 2014, na última quarta-feira, 21 de Novembro, durante o fraquíssimo jogo do Superclássico das Américas entre Brasil e Argentina. Essa demora se deu por conta dos vários testes que Mano fez durante seu “mandato”, que também foi marcado pelos erros, e, na minha opinião, pela insistência do torcedor por alguns jogadores, que longe de seus clubes de origem, pouco produzem. Claro! Não há a convivência. Neymar não joga sempre com Lucas e Fred. Com exceção do goleiro, acho que o Diego Cavalieri poderia ter sido chamado há muito tempo.
Hoje, enquanto lia alguns comentários nas redes sociais eu vi algumas pessoas dizerem que a CBF estava analisando mais a história do que o momento. E que hoje, o que mais valia era o momento. Em partes eu até concordo, o momento do Felipão não é dos melhores, por conta do que aconteceu no Palmeiras, mas volto a perguntar, a culpa é só dele? Mas vamos por partes, o assunto é Seleção e não a SEP. Se o critério fosse MOMENTO, os quatro mais cotados seriam Abel Braga, Tite, Muricy Ramalho e Vanderlei Luxemburgo, e pelo apelo nacional, Pepe Guardiola. Porém, todos já haviam renovado seus contratos com os respectivos clubes, e mesmo o Guardiola estando desempregado, o tempo é curto para que um técnico estrangeiro conheça os jogadores brasileiros, a Copa é praticamente amanhã.
Quando Mano foi contratado, foi pelo momento e não agradou. Ai vocês me dizem: “Mas o Dunga foi contratado pela história dele na Seleção, e olha no que deu!”. Também não discordo, mas no que foi que a CBF se baseou para contratá-lo? Porque comandar um time dentro de campo – como capitão-, é diferente de comandar um time fora de campo, com toda a pressão da imprensa, da torcida e de seus superiores. Sempre vai haver a voz que diz: “ou ganha ou você cai”.
Vejam bem, eu não entendo tanto assim de futebol, mas eu gosto do esporte, e sei o suficiente para expor minha opinião. E digo que, se a CBF deu uma nova chance ao Felipão, é porque a história dele, tanto em clubes do Brasil e estrangeiros quanto na própria Seleção Brasileira é muito bonita. Ele era o técnico na conquista do Penta em 2002, e Parreira era o técnico do Tetra, em 1994. Felipão é experiente, Parreira também. Claro que ambos tem alguns comportamentos que precisam mudar. Mas é uma dupla que pode tentar trazer de volta o amor do brasileiro pela amarelinha.
Mas com tudo isso, eu só queria mesmo dizer, é que essa dança das cadeiras, só faz aumentar a nossa descrença nos comandantes da CBF. Se com o Dunga a seleção era uma, com Mano foi outra. E podemos ter a certeza que teremos uma terceira Seleção em menos de 4 anos. E seguiremos assim, até que sejam definidos os 22 jogadores para a Copa do Mundo do Brasil, já que corremos o risco de ter alterações depois da Copa das Confederações. O que nos resta a fazer é aguardar.

“E assim caminha a humanidade…”

10 anos em 2 dias

Deixe um comentário

Todo mundo sabe que durante muitos anos da minha vida eu morei no interior, passando por Monte Alegre do Sul e Amparo. E eu fui muito feliz, durante todos estes anos (1996 / 2006 ). Mas por conta de uns contra-tempos eu me mudei de lá, pra Santos e depois pra São Paulo, onde estou há dois anos.

08/07 de 2011, depois de dois anos sem visitar minha cidade do coração e meus amigos, eu voltei.

E como é bom poder relembrar de todos os momentos. A começar pelo espaço onde por anos estudei. O colégio é outro, mas mesmo assim, durante sete anos foi ali que eu ficava pelo menos 5 horas por dia.  Dentro de sala ou matando aula. E de todo o caminho que eu percorria pra voltar pra casa. E mentalmente eu me vi caminhando, com amigos e até mesmo sozinha.

Rever minhas amigas foi como uma descarga elétrica que passou pelo meu corpo me deixando ‘ligadona’. Poder ouvir suas vozes tão amigas dizendo que sentiram saudades, como foi bom… eu sei que eu ainda mantenho aquelas amizades.

Rever alguns amigos foi divertido, alguns estão mudados, mas continuam sendo os amigos de 14 anos atrás.

Passei pela casa que morei durante os sete anos que vivi em Amparo, foi bom ver que ela continua a mesma. Pelo menos por fora, pude ver que a cor é a mesma, e que até as cortinas que minha mãe deixou por lá, ainda estão do mesmo jeito. Significa que os novos moradores gostaram da idéia.

Relembrei muitos momentos. Enquanto curtíamos o show da Zélia Duncan na Praça Pádua Salles, no 11º Festival de Inverno. Dos shows que vi ali. Das horas que passamos sentados nos bancos da praça, conversando, rindo, chorando. De tarde, de noite e até de madrugada. Ali fiz amizades, ali briguei e até me apaixonei. “Pra onde vamos depois da escola? Ah, vamos na Pádua Salles?” toda quarta feira era assim, eu e minha amiga Érica íamos pra praça, pra não fazer nada. Apenas conversar – o tempo na escola não era suficiente. Foi bom também passar pela praça da Matriz, onde me crismei e onde passei muitos momentos legais. Onde bebia com os amigos, onde ria com eles…

Por todos os lugares que passei eu sentia um pedacinho dos meus pais. E os via na padaria, no mercado, na video-locadora, nos estúdios da rádio, na secretaria da escola, nos escritórios e até mesmo na minha casa. Lembro como se fosse hoje, de tudo. Via tudo claramente, como se todos nós ainda morássemos lá.

Em todos os lugares eu lembrava deles. Batia uma saudade, mas sem tristeza. Vivemos muitos momentos naquela cidade, e pra mim é importante lembrar, porque ali foi o último lugar que vi meu pai, vivo. E mesmo sendo algo triste, não me deixei abalar, revivi mentalmente  cada instante que ali passei junto da minha família. Foi ali que eu cresci, que estudei, que me formei, que conheci muitas pessoas – que quero levar comigo pra sempre – foi ali que eu me transformei a pessoa que hoje eu sou. E é claro que nada disso teria sido possível sem essas pessoas.

Foi muito bom encontrar, amigos, conhecidos, ficantes (que saudades rs), foi bom conhecer novas pessoas. Foi bom, é bom e sempre será bom estar por lá.

Mesmo não tendo nascido em Amparo, me considero Amparense de coração. Dizem que mãe é quem cuida, certo? Pos cidade também, é a que acolhe, é a que te faz se sentir bem. E é assim que me sinto todas as vezes que me lembro dos anos que lá vivi.

Obrigada Amparo, por ser a minha cidade e por ter proporcionado os melhores anos da minha vida.

E obrigada aos amigos, por terem feito destes 10 anos, inesquecíveis.

Mesmo com as pessoas dizendo, o passado é passado, não deixe de vivê-lo. Mesmo sendo passado, faz parte de você, do seu crescimento, da sua evolução. E se você é o que é, é porque você tem um passado, e este tem que ser lembrado.

Algumas imagens deste meu passado

Este slideshow necessita de JavaScript.

(Não vou citar a vontade de falar dele, não vou…!)

Palavra da viagem: DESTINO, né Pur?

That’s all folks.
@Carol0590 (:

Pequena, grande… Mulher

1 Comentário

Olá!

Pra você que tem a minha idade ou mais, eu faço uma pergunta: Você se lembra da Sandy? Ela mesmo, a Sandy Leah Lima, filha do cantor Xororó,  sobrinha de Chitãozinho e irmã do Junior?

A princesa cresceu, evoluiu, se separou de seu irmão, se formou, se casou e continua tirando suspiros de toda a sua legião de fãs.

Ontem 14/05 eu pude mais uma vez presenciar um momento mágico na vida dela. Estive presente em mais um show da turnê ‘Manuscrito’, que agora vai rodar o Brasil. Em sua segunda noite de shows no Citibank Hall a cantora esbanjou beleza e simpatia, assim como no primeiro que eu fui no dia 25/11 do ano passado.

O repertório era de músicas compostas por ela, que estão em seu novo CD Manuscrito, e também de outros cantores como: Lenine, Marisa Monte, Lulu Santos e Oasis.

O show teve duração de mais ou menos uma hora e em momento algum as pessoas deixaram de cantar ou de gritar elogios como: ‘Te amo mulher’, ‘Sandy eu te amo’ e até mesmo cantaram uma de suas músicas de quando ainda fazia dupla com Junior.

Pra deixar o povo com aquele gostinho de quero mais, Sandy saiu do palco se despedindo, mas logo voltou para cantar mais um pouco para seus fãs.

A casa estava lotada. Depois de três anos longe dos palcos e de todo esse alvoroço dos fãs, a Sandy continua sendo muito querida, assim como a sua avó Mariazinha, que quando chegou à casa foi ovacionada por todos. Noely e Lucas Lima estavam um pouco afastados da confusão, afinal, o foco ali era a estrela da noite, Sandy Leah Lima.

Não tem como descrever a emoção de ver quem a gente gosta voltando a fazer o que faz de melhor. E pra mim, que sempre tive a Sandy como exemplo na música, é gratificante. Claro que tenho muitos outros exemplos, mas foi a dupla que me acompanhou durante toda a minha infância, e vice-versa.

Então pra vocês que também gostam desta pequena, grande… Mulher, vejam algumas fotos  (: – Dos dois shows, na ordem. (25/11/2010 e 14/05/2011)

Este slideshow necessita de JavaScript.

Obrigada Sandy, por não nos deixar órfãos. E obrigada por nos fazer felizes há mais de 17 anos.

That’s all folks! =*
@Carol0590

O Amor

Deixe um comentário

Se há no mundo o sentimento mais complicado de se entender, este é o amor.

Como é fácil a gente se encantar por alguém, e logo depois se decepcionar.

Como diz Rita Lee, em uma de suas brilhantes composições, “o amor, nos torna patéticos…”. E eu tenho de concordar. Quando se está amando, tudo é lindo. Vemos flores em terrenos estéreis. Para qualquer motivo, há um sorriso tolo no rosto.  Os olhos brilham apenas ao imaginar o rosto da pessoa amada. Qualquer música faz lembrar dos momentos juntos, mesmo que esses tenham sido poucos ou curtos, e para cada música se cria uma história ou fazemos dela o que gostaríamos que tivesse sido em nossas relações.

Amar, é algo complicado. E dessa complicação, se pode ter todos os sentimentos possíveis e imagináveis. Ao se declarar apaixonado, deve-se estar ciente de todos os prós e contras dessa loucura do coração. Entender os momentos ruins, compreender as vontades do outro, de sentir-se só ou apenas de ficar só. Saber que existirão momentos de choro, e entender ali, a verdadeira importância de um abraço e o valor do silêncio.

O amor exige do ser-humano que ele saiba, em algumas vezes, abrir mão de suas vontades, para que as do outro sejam realizadas.

O amor também nos prega peças. Quando pensamos que estamos apaixonados, descobrimos que fomos apenas iludidos, e passamos a sentir por alguém, o que este nem pensou em sentir por nós. O verbo amar passa a ser conjugado apenas na primeira pessoa do singular. E ai, o mundo parece desmoronar, não vemos mais graça nas coisas e nem vemos mais sentido nelas. Ficamos chorando pelos cantos, desabafando com os amigos ou simplesmente, amando calados. Por quê? Por carência talvez? Por falta de autoconhecimento? Por conta da baixa auto-estima? Não sei ao certo, só sei que o amor faz sofrer, porém, o amor sem reciprocidade faz sofrer muito mais.

Se queres sofrer, apaixone-se. Se queres ser feliz, apaixone-se.
E assim, o mundo viverá eternamente na dicotomia do amor.

[Alguns trechos interessantes de músicas relacionadas a este tão incompreendido sentimento]:

“Estar apaixonado pode ser muito engraçado
A gente fica sem noção
Estar apaixonado às vezes fica perigoso
Mas quem vai controlar a emoção? …”

“Coração
Para que se apaixonou
Por alguém que nunca te amou
Por alguém que nunca vai te amar?…”

Confuso né? Mas ainda assim, eu amo amar.

Beijos.

That’s All Folks.

@Carol0590

Parabéns Diego!

Deixe um comentário

20 de Fevereiro de 1987. São 24 anos de uma vida intensa, com tristezas, alegrias, vitórias e derrotas. E hoje milhares de pessoas sabem quem é você, Diego Cunha Silveira.

Não sei bem como eu devo começar esta homenagem, carta ou seja lá o que for, mas você merece o esforço.

Como todos hoje já sabem, dia 6 de Maio de 2009 eu sofri uma perda que abalou minhas estruturas emocionais. Sem rumo, se interesse pelas coisas.
E é ai que você entrou e começou a fazer parte, muito intensamente, da minha vida.

Lembro-me até hoje ou como se fosse hoje, da primeira vez em que te vi. Foi no dia 8 de Novembro de 2009 em uma Blitz Mix. Realizei um sonho que há muito eu vinha tendo, até que finalmente ele se concretizou. A partir de então tudo mudou. Aprendi a não julgar as pessoas pela aparência, pelas atitudes e principalmente pelos estilos. Porém, não foi só isso. Começamos a ter mais contato, guardo todas as nossas fotos… e principalmente, guardo os momentos que não foram registrados, esses de fato são os mais importantes e mais marcantes na minha vida.

Quem não te conhece te julga, te critica e sem saber cria conceitos que na maioria das vezes são infundados. Só quem realmente sabe quem é o verdadeiro Diego e que pode falar qualquer coisa.

Lembro de outras datas que estivemos juntos, 22 e 28 de Novembro, no Inferno Club e no São Paulo Mix Festival, quando eu me passei por repórter só para mais uma vez estar perto dos meus ídolos. E foi muito bom, adrenalina a mil, mas eu estava ali. Com credencial pra área VIP e acesso livre e total aos camarins, e lembro ainda de você tocando minha mão e dizendo “É nóis”, quando te contei o por que de eu estar ali. Aquilo foi deveras importante.

Não sei quantas vezes eu já falei de como todos vocês são importantes.

Porém, hoje não estou aqui para contar os fatos, apenas para te lembrar. E também para te parabenizar. Mais um ano que chega, e com ele, muitos aprendizados, muitas amizades, muitas conquistas e cada vez mais humildade. E isso é o que realmente te faz diferente de muita gente.

Já disse certa vez, de como eu desejava ter te conhecido há mais tempo, mas isso não aconteceu. Talvez não tivesse sido tão especial quanto foi e  tem sido. Como sua mãe mesmo me disse, foi a minha mãe que colocou vocês no meu caminho. Sou muito grata por tudo o que aconteceu, e mais uma vez, por tudo o que você me proporcionou, direta ou indiretamente.

Meu anjo, parabéns pra você. Tudo de melhor que a vida possa te oferecer. Que Deus te abençõe, não só hoje, mas em todos os dias que tens ainda pela frente. Que ele esteja contigo sempre e sempre. Que todos os seus outros desejos, sonhos e planos possam se tornar realidade, e que você seja muito feliz. Afinal, você nos proporciona felicidade, e merece felicidade.

Continue sendo sempre este garoto tão especial, que sua estrelha brilhe cada vez mais. E que você continue fazendo parte de nossas vidas por muitos e muitos anos.

Obrigada por todos os momentos.

Que esse novo ciclo em sua vida, seja infinitamente melhor. Tenha certeza de que eu farei o que eu puder, para ver um sorriso sempre estampado em seu rosto.

Um grande beijo de quem te admira e te quer sempre bem.

@Carol0590 (:

Direito de resposta.

2 Comentários

(Comentário direcionado ao blog do zagueiro Paulo André do Corinthians http://pauloandre-13.blogspot.com/)

Paulo André.

Realmente você é um jogador além, diferente de muitos que já cansamos de cobrar, mas que nunca cumprem o que prometem.

O que todos nós torcedores sempre pedimos a vocês é o amor pela camisa, a dedicação dentro de campo, e não estamos vendo isso no momento.

Você citou uma passagem que foi muito difícil para todos os que presenciaram: a famosa ‘fila’. Foram 23 anos de angústia, agonia por sempre tentar, mas nunca conseguir uma boa colocação, nenhum título. Entendam, sempre cobraremos quando o resultado não vier. E vocês bem sabem, que também sempre os parabenizaremos pelas vitórias. E queremos dar os parabéns, e vocês, querem recebe-los? Ao que nos parece, não.

Claro que a cobrança seguida de violência não é legal. Não é certo e nem de direito das pessoas ameaçar as outras, agredir e destruir patrimônios para conseguir o que querem, sou totalmente contra e acredito que esses não sejam torcedores de verdade, ou não sabem fazer do futebol algo agradável.

Em seu post você também pontuou o fato de os pais não agredirem seus filhos quando eles repetem o ano, disse que eles torcem para que o ano seguinte seja melhor, com boas notas. Mas e quando estes mesmos filhos cometem o mesmo erro por vezes seguidas? Você há de convir que é muito difícil controlar a ira, o nervosismo e a raiva. Afinal, muitos pais pagam para que seus filhos aprendam, e pagam caro. A paciência tem limites, e ela em algum momento vai desaparecer, e o mesmo pai que teve paciência, que torceu pelo filho, aplicará uma punição, não tão violenta. E é isso que acontece com os torcedores do todo poderoso. Nós pagamos pelos ingressos, muitas pessoas assinam canais pay-per-view para assistir aos jogos quando não têm a oportunidade de irem aos estádios. E principalmente hoje, que o ingresso custa o olho da cara. Não somos o Real Madrid brasileiro, e nem chegamos perto da situação financeira deles. O torcedor do Corinthians é do povo, e não merece pagar a fortuna que é cobrada, principalmente para assistir fiascos dentro de campo. Lembrando que parte deste dinheiro paga o salário de muitos de vocês.

Não podemos tirar o mérito do Tolima, que lutou até o final para conseguir a classificação. Mas não vamos, em hipótese alguma, tirar o demérito de vocês jogadores, comissão técnica e diretoria por toda essa derrocada, que já vem acontecendo desde Novembro de 2010, com as derrotas para Vasco e Goiás, e com o empate com o Vitória da Bahia. Jogos em que o Corinthians era o favorito e deveria ter tido bons resultados. O time terminou o Campeonato Brasileiro em terceiro lugar, o que culminou na pré-libertadores. Se naqueles jogos tivesse sido demonstrada a vontade de ser campeão, não estaríamos passando por isso. Sempre dizem que não devemos subestimar a capacidade do time adversário, mas não quando sabemos que temos um time para vencer.

Nunca vou me esquecer, e quero sempre citar o Deus da Raça. Você já deve ter ouvido falar nele muitas vezes, ou nem tanto. As diretorias se esquecem daqueles que um dia trouxeram títulos ao clube. Falo de Idário Sanches Peinado, que mesmo com a perna machucada fez questão de entrar em campo. Mentiu para todos, e só saiu de campo quando o juiz trilou o apito e o Corinthians foi campeão do IV Centenário, em 1954.

Você se lembra disso?

Nós torcedores nos lembramos bem. Aquilo era raça, paixão pela camisa que vestiam, vontade de ver o torcedor vibrar nas arquibancadas. O salário? Não chegava nem perto do que vocês recebem hoje em dia, mas mesmo assim eles faziam o que tinha de ser feito.

E não pensem vocês que são os únicos a serem agredidos, ofendidos e desmoralizados.

Concordo quando diz que o futebol não deveria ser a fonte de alegria nas casas. Concordo que existem outros problemas a serem resolvidos, além dos que acontecem dentro de campo. Mas o torcedor vê o futebol como uma válvula de escape. Freqüenta estádios pois sabe que lá ele vai poder desabafar, extravasar todas as suas emoções, todo o seu stress e nervosismo. Mas nem sempre isso é proporcionado a ele.

Também não critico vocês por terem uma vida fora dos gramados. Ter twitter, blogs e derivados não é crime, e vocês têm tanto direito quanto nós. Isso não deveria ser posto, em momento algum, na pauta de discussão.

Mas dentro das quatro linhas, exigimos tudo de melhor, nada de meia boca.

Agora, sem a Copa do Brasil, Sul-americana e sem a Libertadores, temos apenas o Paulistão e o Campeonato Brasileiro para disputar. E assim, ficaremos na expectativa de um bom trabalho de vocês, com a esperança de um título no nacional, para mais uma vez conseguir disputar a Taça Libertadores da América ano que vem.

Será que agora veremos a raça, a paixão, o amor à camisa e a vontade de ser campeão?

Eu quero voltar a comentar no teu blog, ou postar no meu, os parabéns a todos vocês por um belo trabalho, só cobrar cansa.

Desejo muita sorte a vocês nesta nova fase, e torço para que esta tenha um final mais feliz.

Abraços.

Ana Carolina Marques

Older Entries